sábado, 9 de agosto de 2014

VW ar com injeção

VW com injeção
Se você tem um Fusca com motor a ar, e quer mais agilidade, menor consumo ou menor manutenção, a solução pode ser trocar por um motor similar com injeção eletrônica (no lugar do carburador, o qual já vem de fábrica nas novas Kombis e nos novos Fuscas mexicanos).

As outras vantagens da injeção são o "afogador" automático e o fato de dispensar limpeza e regulagens constantes. A adaptação é possível, e não requer complicadas modificações. As maiores mudanças ficaram por conta dos vários sensores que fornecem ao sistema de injeção Bosch Motronic MP9 multiponto, do tipo seqüencial, as informações necessárias para o perfeito funcionamento do motor.


Essa injeção é do tipo "speed-density", que calcula a dosagem exata de combustível através do volume de ar que está entrando no motor. No coletor de admissão, há sensores de temperatura de ar e outro de pressão do próprio coletor. O motor ainda possui os sensores de temperatura do óleo - na parte inferior direita do bloco - de posição da borboleta e rotação/Ponto Morto Superior, do tipo Hall.
Esses sensores têm a função de otimizar o funcionamento do motor nas mais diversas condições de solicitação, rotação e temperatura, atuando sobre o momento e a quantidade de combustível que vai ser injetado em cada cilindro.


Ainda através desses sensores, a "centralina" (central eletrônica) controla o avanço de ignição eletronicamente, "alimentando" o sistema de ignição e gerando a centelha das velas no momento exato. Para que a marcha-lenta não apresente problemas de oscilação, tão comuns nos carros equipados com carburador, há uma válvula denominada Duty-cicle, que através do controle do fluxo de ar otimiza a rotação da lenta.


Devido a concepção do motor Boxer (quatro cilindros opostos dois a dois), há uma tendência de aquecimento do terceiro cilindro em determinadas cargas e rotações.Além da nova posição do radiador de óleo (recuado), para evitar danos neste cilindro com melhor refrigeração, o sistema de injeção possui um modo de proteção deste cilindro, na qual a centralina atrasa o ponto de ignição, ao mesmo tempo em que enriquece a mistura ar/combustível. Esse sistema de proteção está regulado para funcionar a partir de uma temperatura de óleo de 95,5 C°.
 
Os componentes de injeção para adaptar num motor "a ar" com carburador, não precisa trocar o bloco do motor, nem cabeçotes. A maior modificação fica por conta da adaptação de um sensor de temperatura de óleo, rosqueado na parte inferior do bloco. No mais, tudo praticamente igual. O "grosso" do serviço fica por conta da retirada do sistema de alimentação e escape. os dois coletores de admissão - no caso de carburação dupla - são trocados pelo coletor único (em três partes), que já apresenta os conectores específicos. Evidentemente a lataria externa também é nova. Uma curiosidade fica por conta do cabo do acelerador, que é o mesmo do motor carburado. Finalmente não esqueça que toda parte elétrica instalada em seu Fusca obrigatoriamente deve estar protegida por fusíveis, pois em caso de curto-circuito não há danos aos componentes. Todo o chicote e conectores do novo sistema de alimentação devem ser fixados com grampos de plástico e cintas auto-travantes 










Nenhum comentário:

Postar um comentário