segunda-feira, 22 de julho de 2013

Fórmula Vee - VW disfarçado em carro de corrida

A Fórmula Vee foi pensada para que o piloto possa montar seu carro por conta própria. O mono posto está sendo comercializado em duas configurações. Uma é a mais básica (R$ 3.800) e conta apenas com o chassi, caixa de direção e os apoios de motor e câmbio. Nessa condição, o piloto pode adquirir toda a parte mecânica separadamente e mandar fazer peças específicas como, por exemplo, banco, carenagem e pedais. Já a outra opção é um kit com 80% do carro pronto, restando apenas à colocação de motor, câmbio, suspensão dianteira, amortecedores, molas traseiras, rodas, pneus, cinto e instrumentos, que deverão ser analógicos. Esse conjunto sai por R$ 8.800. Se o cliente quiser fazer a carenagem por conta própria, ele sai por R$ 6.100 (a carenagem fica em R$ 2.700).



Detalhes construtivos
- Chassis em aço carbono 1020, tubos retangulares de 2 mm, quadrados de 1,5 mm e circulares para o arco de proteção ("santantônio") e painel de 3,5 mm
- Chassi desenhado em computador e soldado com solda Mig
- Assoalho e parede corta-fogo em alumínio de 1,5 mm
- Tanque de combustível em forma de pirâmide truncada em alumínio de 2 mm de espessura e pescador e respiro superiores vedados, alojado atrás do piloto.
- Pedaleira regulável para permitir estaturas de piloto diferentes, usando dois cilindros-mestres para freio com balancim para regulagem das forças de frenagem dianteira e traseira, e um cilindro-mestre para a embreagem.
- Trambulador especialmente projetado para usar apenas uma junta universal (na realidade são duas, mas a de trás não tem função de desviar movimento, é apenas ligação).
- Câmbio de 4 marchas e ré, com relações originais VW.
- Caixa de direção de alumínio usinado com pinhão e cremalheira de aço, com uma volta entre batentes (meia-volta para cada lado). A caixa se acopla em dois terminais de Fiat Uno que se combinam com barra e terminais de VW.
- Apoios de motor e câmbio reguláveis (não são usados coxins) e são 4 apoios: um no parafuso atrás da bomba de óleo, os 2 normais no câmbio na carcaça de embreagem e o traseiro do câmbio propriamente dito.
- Coluna de direção de Fiat Uno, tem suportes para fixar e regular a distância.
- Banco em compósito de fibra de vidro com apoio para os ombros
- Motor 1600 a etanol com comando de válvulas de Kombi a injeção e taxa de compressão livre, não sendo permitido preparar nada, exceto aliviar o volante em até 2 kg e balanceá-lo.
- Carburadores Solex 32 originais com difusor de 22 mm (feito intencionalmente para limitar potência)..
- Bomba de óleo original de maior fluxo com saídas na carcaça, não é permitido usar bomba de circulação.
- Obrigatória a fixação das tampas de válvulas por prisioneiros e porcas e a haver tubo de ventilação.
- Balancins originais.
- Cabeçotes originais, de duas entradas, podendo ser apenas rebaixados para aumento da taxa de compressão.
- Permitido radiador de óleo externo.
- Amortecedores dianteiros de Fusca ou Chevette, podendo ser preparados.
- Freios dianteiros a disco originais do Fusca/Brasília
- Freios traseiros a tambor originais do Fusca e Brasília
- Suspensão traseira usando amortecedores e molas de Honda Twister.
- Entre eixos de 2.220 mm e cáster de 7,5 graus. Bitola dianteira 1.316 mm e traseira, 1.355 mm.
- Carenagem em compósito de fibra de vidro acabada em gel coat branco dispensando pintura; permitido apenas adesivar.
- Rodas de aço 6Jx15 fabricadas pela Rodabrás, modelo Fusca Mexicano/Porsche com 10 furos.
- Os pneus são todos comprados no mesmo lugar e marcados, têm que ter 4 mm de profundidade de sulco no mínimo.
- Escapamento 4em 1








Nenhum comentário:

Postar um comentário